sexta-feira, 15 de outubro de 2010

num piscar de olhos (...)


Ou no calor do abraço, na intensidade do olhar, na batida do coração, no cheiro, na voz sussurando ao meu ouvido "me perdoa", que seja, mas foi naquele momento em que pareceu que nada de ruim havia me acontecido, já havia me esquecido que a poucos minutos antes eu chorava pensando em sair de um lugar do qual já não sei mais viver fora (...) eu o amo, muito, imensuravelmente!